[Coluna NES] Você não se governa. Será?

Por Betho Wilson

Semana de feriadão, o que mais nós queremos?
Eu, sinceramente, quero muito mais do que estão oferecendo, principalmente quando se trata de ações públicas.

Já falei para vocês que sou um quarentão nascido e criado aqui na nossa comunidade, não é? Sim, estou enxuto e pareço mais jovem. Não, eu não durmo no formol, é a culpa da melanina mesmo.

Então, como morador antigo que sou e que ainda teve e tem a oportunidade de conviver com pessoas mais velhas, portanto, mais antigas do bairro, eu sempre acompanhei a nossa saga e luta por apoio dos diversos chefes dos poderes executivos e legislativos constituídos democraticamente que ao longo dessas 4 décadas que, votados por nós, nos trouxeram muitas promessas e poucas ações, muito discurso e quase nenhuma realização, muita propaganda e apenas sobras, migalhas destinadas como um, cala boca, que na maioria das vezes contemplava alguns poucos dos nossos que faziam/fazem parte desse jogo sujo do toma lá, dá cá.

É bem verdade que parece existir em nós uma vocação para sermos enganados e o que é pior, parece que, no processo evolutivo, nos tornamos um grupo que aceita essas falhas repetindo o voto quase que mecanicamente nesses indivíduos já identificados como sanguessugas usurpadores de nosso livre crescimento.

Inevitavelmente eu associo nossa condição precária à política porque tudo é política, tudo!
Desassociar nossa condição a má gestão e fiscalização deles é burrice.

Muita gente se cansou de, em cada pleito eleitoral, depositar na urna hoje eletrônica o seu precioso voto e cresce o número dos que anulam, votam em branco ou mesmo nem lá estão indo numa total demonstração de desânimo, descrença. Políticos antigos que contam seus louros e metem sobre sua capacidade de mudar o rumo trágico de nossa gente, cercados de alguns poucos conhecidos nossos que são os únicos a faturarem algo individualizando a gerenciamento em seus próprios interesses são o que não falta em nossa comunidade. Ainda temos, para aqueles esperançosos, o receio de reeleger um novo alguém como uma via alternativa e recebermos a pior das frustrações, exemplo não nos falta, nosso presidente inominável é exemplo disso. Então, o que fazer? Fala, Betho.

Autonomia é a resposta.

Bato nessa tecla o tempo todo! A maioria esmagadora de pessoas bem sucedidas no mundo é de quem criou e vende algo seja lá em qual área atue.
Gente da gastronomia, arte, tecnologia, logística, literatura, ciência, artes marciais, construção, manutenção de móvel ou automóvel, inventores, pessoas que empregam seus dons e talentos em seu próprio crescimento pessoal são as que conseguem vencer com mais intensidade essa máquina, esse sistema brutal que amassa é engole os humildes demais.

Você já se olhou? Lá dentro mesmo, no mais íntimo de teu ser. Você já fez uma análise profunda e assim enxergou sua força? Aquele seu dom especial que recebei ao nascer, onde ele está? O que você fez ou permitiu que fizessem com ele? Foi para lo eleva aqui nessa terra que você nasceu! Você é o seu próprio dom especial e é através dele que irá crescer e não pela ajuda de homens e mulheres que com sorrisos falsos e palavras frágeis tentam de convencer que precisas deles entregando seu voto para los eleger e depois receber a indiferença que dura em média 4 anos.

Se não acredita em mim então olhe ao seu redor e veja no mundo, no Brasil, em sua cidade, seu bairro ou até em sua rua quem está conseguindo se sobressair ao sistema, veja se não as pessoas que deixaram de lado o sonho alheio e focaram em seus próprios dons e estão realizando um grande trabalho de auto afirmação tendo suas vidas transformadas por elas mesmo, pelo poder d ser quem nasceu para ser.

Get out! Corra! Vá e se dê a oportunidade de sentir orgulhoso, orgulhosa por seus próprios feitos. Está tudo aí para nós, é só saber chegar!

COMPARTILHAR
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.