[Opinião] Até quando? Cadê os coletivos? E, nós merecemos isso? Esses são alguns dos questionamentos feitos pelos moradores do Nordeste de Amaralina ao longo do tempo.

Pelo visto, as mazelas  vivenciadas e denunciadas  por Carolina de Jesus no seu quarto do despejo permanecem vivas e latentes na contemporaneidade. 

Entra ano, e sai ano, mas parece que os problemas que assolam os moradores  do Nordeste de Amaralina celebram aniversário e gozam de vida longa. 

O tempo passa.. As cadeiras são substituídas, os forasteiros desfrutam das nossas riquezas e vão embora, rumo a se deleitarem no conforto do seus condomínios, assistindo de braços cruzados o nosso desalento. Até quando? 

Quando será que nossa gente será valorizada e respeitada? Estamos em uma sociedade de desigualdade relutante. Um câncer, um vírus, uma fatalidade… Quantas Marias continuam derramando lágrimas.. Quantos jovens terão sonhos ceifados.. Até quando nosso povo viverá acanhado e desesperançoso? 

A Constituição assegura direitos a todos os cidadãos brasileiros, ou apenas um grupo com seleto? Infelizmente, ainda vivemos em um contexto social  que os direitos são para poucos, nós cabendo  às margens. 

Quantas/Quantos Carolinas de Jesus, Dandaras, Zumbis, Sepés Tiarajus, Barbaras Heliodoras, Marias Felipas, precisarão nascer para tentar ressignificar a nossa realidade?

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.