Pedregulhos oriundos de obra voltam a incomodar frequentadores da praia de Amaralina; veja imagens

Os pedregulhos deixados na praia de Amaralina durante a obra de requalificação da orla do bairro voltou a ser motivo de dor de cabeça para os frequentadores da referida praia. O assunto, que vem sendo alvo de reclamação desde a entrega da obra, em agosto do ano passado, já causou diversos acidentes entre os banhistas. Em janeiro desse ano, após parte da recém reformada balaustrada ceder, a Prefeitura de Salvador, através da empresa responsável pela intervenção, iniciou a retirada das pedras e cascalhos deixados por toda a extensão da praia.

Acontece que, por conta da mudança de maré, parte dos pedregulhos, que havia sido enterrados pela areia, voltaram a aparecer na região do Malaô, próximo ao Largo das Baianas. O local, inclusive, é tradicionalmente utilizado pela turma do baba e do futevôlei, e que por conta do inconveniente estão impedidos de praticar esporte no local.

“O que está acontecendo com a obra de Amaralina? Foi inaugurada a praça, mas não foi mostrado o que eles fizeram na areia. Retiraram as pedras gigantes que ficavam encostadas nos muros e colocaram no meio da praia, onde o pessoal costuma praticar o seu esporte. E se houver acidentes, quem se responsabilizará?”, questionou um morador.

“É um absurdo que a Prefeitura ao termino da obra da nova orla de Amaralina não tenha a fiscalização necessária para recolher o entulho que eles deixaram em nossa praia, que sempre foi uma praia limpa e hoje está cheia de pedra e resto de material de construção. Inclusive uma parte da obra foi feita “meia boca”, como por exemplo a parte da balaustrada da Praça do Budião, que por baixo estão com os vergalhões expostos para quem quiser ver”, completou.

Em agosto do ano passado, a reportagem entrou em contato com a Secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra). Na ocasião, a pasta, através da sua assessoria de imprensa, afirmou “que os pedregulhos na areia da praia em Amaralina estão sendo retirados de forma gradativa”. No entanto, quase um ano depois, o problema segue sem solução.

Com a palavra a Prefeitura de Salvador.

COMPARTILHAR
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU