[Talento NES] A poetisa que encantou a favela

Conheça a história de Allana Luísa Cardoso, a jovem que almeja revolucionar o mundo com sua arte.

 Sabemos que o Complexo do  Nordeste de Amaralina não é só violência e tráfico de drogas, como se é tão enfatizado pelos veículos de publicidade. Pois entre nossos becos e vielas é possível encontrar muitos talentos, do engenheiro ao poeta, esse bairro é nutrido de farta riqueza cultural.

A jovem poetisa Luísa Cardoso, 16 anos, é mais um exemplo disso poetisa. Mulher preta e ativista das causas femininas e raciais, Luísa utiliza da sua poesia como instrumento de luta. O engajamento em torno das questões raciais é fruto da influência da sua mãe,  dona Elizete Nunes, não por acaso sua maior fonte de inspiração.  do complexo. E foi durante a pandemia, que  a jovem resolveu deixar a timidez de lado  e começou a publicar suas obras em seu perfil no Instagram. ( @luisa.cardoso_)

 ” Um belo dia, eu estava em casa durante uma pandemia e percebi que como eu, existem muitas meninas e mulheres, negras, periféricas que sofrem as mazelas que nos são entregues, quando parei para pensar nisso, me dei conta de que eu poderia ajudar alguém, ou salvar o dia de alguém com uma poesia minha, desde então, tento postar sempre, expressar minha opinião e ser eu, sempre que possível.”, conta  Luísa.

Em agradecimento, a jovem cita sua mãe, que segundo ela lutou para sempre lhe amparar, mesmo com as inúmeras dificuldades e percalços da vida. De acordo com Luisa, dona Elizete sempre fez questão de gravar o seu primeiro vídeo, além de estar sempre enaltecendo o potencial da sua filha.  Luísa lembra com carinho das palavras de incentivo da sua genitora: ” Você não é melhor, nem pior que eles, você é igual”.

Para o futuro, a jovem  afirma que deseja  transformar vidas através da sua arte,  fazendo com que elas tenham consciência do seu poder  enquanto corpos políticos e jamais tendo vergonha das suas raízes. Boa sorte, garota!

COMPARTILHAR
Apaixonada pela arte de se comunicar, pois através dela podemos quebrar barreiras. Estudante de jornalismo, ativista e leitora ativa.