Alerta Celular chega a 4 mil inscritos em menos de 24 horas, diz SSP

Sistema vai auxiliar a polícia a devolver aparelhos roubados e furtados e ajudar a impedir a revenda desses itens

Sistema visa dificultar comércio ilegal de celulares (Foto: Vitor Barreto/SSP

Menos de 24 horas após lançado pela Secretaria da Segurança da Segurança Pública, o Alerta Celular alcançou a marca de 4 mil inscritos. O sistema, desenvolvido com o objetivo de devolver mais rapidamente os aparelhos roubados e furtados, também pretende dificultar o comércio ilegal desses itens, além de responsabilizar não só quem cometer furtos e roubos mas também as pessoas que os adquirem, estimulando a prática de novos crimes.

Por meio do cadastro no site alertacelular.ssp.ba.gov.br, o cidadão vincula os seus dados ao do aparelho ao informar o IMEI, que pode ser obtido consultando a nota fiscal do equipamento ou ao discar *#06#.

A partir daí, caso o aparelho seja alvo de criminosos, a vítima deve voltar ao site, fazer o login e ativar o alerta. Depois, basta resgitrar o boletim de ocorrência através da Delegacia Digital (www.delegaciadigital.ssp.ba.gov.br) ou em uma unidade física da Polícia Civil, até 48 horas após o alerta.

O secretário da Segurança Pública, Ricardo Mandarino, comemorou o rápido alcance dos números, mas reforçou a importância da colaboração da população, tanto na realização do cadastro, quanto na divulgação com amigos e familiares. “Todos devem se envolver nesse projeto, que já se mostrou eficaz em outros estados na redução do comércio ilegal de celulares. Vamos juntos vencer essa prática criminosa”, afirmou o titular da pasta.

Gerente de Projetos da Superintendência de Gestão Integrada da Ação Policial (Siap), o major Rubenilton Andrade comentou sobre a adesão dos baianos. “Chegamos a 4 mil inscritos em 24 horas horas, que é um número muito expressivo, outros estados demoraram meses para atingir essa marca”, afirmou.

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.