Bahia é o 3º estado brasileiro que mais matou mulheres trans e travestis

Em 2020, quando comparado com 2019, estado teve aumento de 137,5% no número de trans assassinadas violentamente

Ação da Policia contra o Tráfico de Drogas na Gamboa Foto: Elói Corrêa/GOVBA

Um levantamento feito pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) revelou que a Bahia é o terceiro estado brasileiro que mais mata mulheres transexuais e travestis.

De 2019 para 2020, o número de assassinatos violentos contra essas pessoas cresceu 137,5%. Foram19 mulheres trans assassinadas no ano passado. No período, a Antra não registrou assassinatos de homens trans.

O relatório da associação é feito de forma quantitativa, porque o Brasil não produz dados demográficos a respeito da população trans. Atrás de São Paulo e Ceará, o estado baiano já figurou o segundo lugar em dois anos consecutivos: 2017 (17 assassinatos) e 2018 (15).

De modo geral, a maioria das vítimas mortas estão no Nordeste: 43% delas. O percentual é seguido pelo Sudeste (34%); Sul (8%); Centro Oeste e Norte, (ambas regiões com 7%). Nacionalmente, a idade média de trans assassinadas é de 29,5 anos.

Segundo informações do portal G1, a maioria das trans vítimas de assassinato em 2020 tinha entre 15 e 29 anos: 56% delas, o que indica a morte prematura de jovens. Em 28,4% dos registros, as idades variavam entre 30 e 39 anos. Trans com idades entre 40 e 49 anos representam 7,3% das mortas, percentual que sobe para 8,3% no caso das vítimas entre 50 e 59 anos.

COMPARTILHAR
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.