EDITORIAL – Do Viva Nordeste ao CSU: o apogeu e o abandono do Beco da Cultura

Quem conheceu os tempos áureos do Viva Nordeste, no Beco da Cultura, sente saudades. O outrora efervescente espaço, hoje batizado de Centro Social Urbano, se tornou um grande elefante branco, cabide de empregos e sem ações afetivas para a comunidade do Complexo do Nordeste de Amaralina.

Iniciado em 2004, o programa Viva Nordeste abrigava atividades nas áreas de Educação, Cultura, Saúde e Empreendedorismo. Aliado às atividades do movimento estudantil, que tinham grande pujança na localidade, sobretudo, entre as décadas de 80 e 2000, o projeto ofereceu cursos de capacitação, atividades culturais e espaço para a juventude da região. No entanto, a instalação de uma Base Comunitária de Segurança, ocorrida em 2011, acabou por afastar por completo a comunidade do antigo “point de lazer e cultura”.

Como se não bastasse a difícil relação entre polícia e comunidade, dentro do Complexo Nordeste de Amaralina, o Centro Social Urbano não oferece qualquer tipo de atrativo. O espaço simplesmente inexiste, segue distante e sem qualquer tipo de envolvimento ou relação com a população.

Sua atual direção sobrevive através de apadrinhamento político. Afinal a quem interessa o sucateamento de um equipamento tão importante como o CSU? Afinal, qual motivo afastaram a juventude do espaço e incluíram dentro de um equipamento tão importante a Polícia Militar?

Será que os governantes acham que na favela só precisam de polícia? Parafraseando os Titãs: Bebida é água / Comida é pasto / Você tem sede de quê / Você tem fome de quê / A gente não quer só polícia, queremos comida, diversão, arte e oportunidades, que ao longo dos anos tem sido negado para nossa comunidade.

COMPARTILHAR
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.