Metrô: nova linha vai chegar até Cajazeiras em dois anos

Assinatura da construção do novo tramo foi assinada nesta segunda (9)

CCR Bahia abre vagas de emprego para trabalhar no Metrô. Foto: Reprodução

Em cerca de dois anos, o metrô de Salvador vai chegar até o bairro de Cajazeiras. O  tramo 3 do modal vai ter duas estações: uma em Campinas de Pirajá e outra em Águas Claras/Cajazeiras, onde também será construída a nova rodoviária. A ampliação foi assinada nesta segunda-feira (9) pelo governador Rui Costa, no estacionamento da estação de Pirajá.

A obra deve custar  mais de R$ 424 milhões. Os novos 5,5 quilômetros de extensão serão implantados do lado esquerdo da BR-324, no sentido Salvador/Feira de Santana, começando no KM-622, em Pirajá, e seguindo até o KM-616, no viaduto de Águas Claras.

Segundo o presidente da CCR metrô Bahia, Rodolfo González, a nova estação vai permitir que o passageiro faça o trajeto de Cajazeiras para a Lapa em 20 minutos. Para o aeroporto, o tempo deve ser de uma hora.

Além desta ampliação, o modal também vai ganhar mais três estações. De acordo com o governador Rui Costa, estão sendo feitos estudos de topografia e sondagem de geologia na região do centro para que o metrô possa chegar até o Campo Grande.

“Serão mais três estações, incluindo uma na Graça e outra na Barra. Agora será licitado o anteprojeto e ano que vem devemos licitar a obra”, disse.

O governador ainda ressaltou que a capital recebe o maior investimento da história em obras de mobilidade urbana com a aplicação de R$ 10 bilhões em obras do tipo. Sobre a extensão do modal sentido Cajazeiras, Rui ainda pontuou que a região vai se tornar um novo polo de geração de empregos.

“ Nós estamos estimando que cerca de dez mil empregos serão gerados com a obra, além dos que serão gerados no equipamento e à margem da via, na nova rodoviária e nas estações de metrô”, afirmou.

Até hoje, o metrô de Salvador possui 20 estações nos seus 33 Km de extensão. As viagens das cinco até a meia-noite transportam 370 mil passageiros por dia. Confira os números do modal abaixo:

  • 3 estações em implementação
  • Tempo de percurso:
    Linha 1 (Lapa a Pirajá) – 15 minutos.
    Linha 2  (Acesso Norte ao Aeroporto) – 27 minutos
  • 19h de operação diária (das 5h à 0h)
  • Mais de 200 milhões de passageiros em cinco anos  
  • 40 trens, sendo que 35 operam juntos no horário de pico 
  • Passagem: R$ 3,70 e tem direito a integração com os ônibus (durante 2 horas – no caso das linhas urbanas – e 3h para as metropolitanas)
  • Centro de Controle – 24h em funcionamento – 28 controladores e 5 supervisores 
  • Intervalos entre trens:  em horários de pico da manhã (das 6h29 às 8h38) e da tarde (das 16h45 às 19h20), na Linha 1 é de: 2 minutos e 41 segundos; na Linha 2: 3 minutos e 10 segundos. Nos horários entre picos, o intervalo é de 5m20s na Linha 1 e de 6 minutos na Linha 2. 
  • Custo médio mensal – R$ 20,180 milhões
  • Custo anual – R$ 242,165 milhões
  • Investimentos realizados em 2018 – R$ 506,338 milhões
  • Previsão de investimento em 2019 – R$ 183,512 milhões

Trânsito
A ampliação também deve melhorar o trânsito com a redução de veículos nas ruas. Para o presidente da CCR metrô Bahia, Rodolfo González, a expansão autorizada nesta segunda-feira e o projeto de ampliação até o Campo Grande mostram o sucesso da implantação do sistema metroviário na capital.

O novo transporte pode descongestionar a região do Iguatemi e melhorar o transporte na cidade. “Será um trecho muito importante, especialmente pela localização da nova rodoviária, que vai proporcionar um fluxo importante de usuários, além de descongestionar a área do Iguatemi, que atualmente está lotada”, pontuou.

Já o secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, afirma que o número de passageiros deve crescer com a inauguração das novas estações. “Com as duas alterações previstas estaremos chegando a um volume de passageiros dia de 600 mil pessoas”, disse.

Dívida da União
O governador Rui Costa destacou ainda que o governo federal deve à Bahia mais de R$ 500 milhões. “Só nas obras do metrô, que já está operando há mais de dois anos, o governo federal deve R$ 120 milhões. Das linhas Azul e Vermelha, a dívida soma R$ 260 milhões. Isso é muito ruim, porque tem contrato assinado e são obras que o Governo do Estado colocou o dinheiro para que não ficassem paradas. Se dependesse do governo federal, hoje a obra do metrô estaria parada. Ela só seguiu devido ao aporte adicional do Governo do Estado”.

COMPARTILHAR
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.