Moradora da Santa Cruz é vítima de discriminação

“Diga que você mora no Rio Vermelho ou Amaralina…”, retrata vítima de discriminação ao dizer que é moradora do Nordeste de Amaralina.

Na noite da última segunda-feira,12, a consultora de língua portuguesa, Marileda Alencar, usou as redes sociais para desabafar após ser descriminada por ser moradora do Nordeste de Amaralina.

Segundo seus relatos o episódio ocorreu quando pleiteou ter os seus serviços de monitoria de língua portuguesa divulgados em um condomínio de classe média a estudante e futura professora Marileda Vidal, recebeu a proposta de omitir suas origens quando abordada por possíveis clientes.

Confira na íntegra o desabafo:

“Ao divulgar um Card nas minhas redes sociais, no qual ofereço os meus serviços de professora de Português, uma amiga minha propôs fazer a divulgação dos meus serviços, sob a condição de eu dizer que sou moradora do Rio vermelho ou Amaralina, quando na verdade sou moradora da Santa Cruz, bairro que faz parte do complexo Nordeste de Amaralina. Prontamente eu recusei a proposta e me sentir violentada, magoada, com minha alma dilacerada, como se o meu bairro fosse definir o meu potencial enquanto profissional e pior, o meu caráter enquanto ser humano, me emociono ao relatar o fato, por que por mais que sejamos militantes, estudados e nos achemos prontos para lhe dar com esse tipo de descriminação, a verdade é que nunca estamos prontos, por que além de ferir a nossa auto estima eles sangram às nossas almas”, trechos do desabafo.

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.