Saiba como os jovens do Nordeste de Amaralina estão enfrentando o desemprego

Conheça a história de cinco jovens que encontraram na internet uma alternativa de fonte de renda.

Segundo o IBGE, em fevereiro, a população mais afetada pela falta de oportunidade no mercado de trabalho nos últimos anos são os jovens, muito por conta da falta de experiência. Os dados mostram a taxa de desemprego ainda maior entre os jovens de menor escolaridade, sendo os mais prejudicados que têm ensino médio incompleto- para esse grupo, a taxa é de 20%-, contra 6,2 para os profissionais com curso superior. Enquanto isso, cresce o número de jovens que encontraram no universo da internet um aliado na luta contra a falta de oportunidade.

Como diz aquele velho ditado popular: “cada um se vira como pode” e é por meio dele que os jovens buscam driblar essa crise e conseguir uns trocados.

Janilson, 20, e Pedro, 19, estão entre os grupos que mais sofrem com a falta de trabalho. Sem oportunidade de emprego, os garotos apostaram na parceria de amizade no enfrentamento. A dupla cansada de encontrar portas fechadas, criaram uma loja virtual de roupas e acessórios esportivos e realizam entrega nos principais pontos de Salvador.

 “Somos amigos de longa data, então nos lançamos na internet. Questão de sobrevivência. Cansamos. Essa ideia permite que os clientes escolham os produtos no conforto de casa pelas redes sociais com garantia e qualidade para que possamos entregar esse produto da melhor forma possível. Aos clientes de localização do bairro, ou perto do metrô e Xópim  entregamos pessoalmente. Iniciamos com foco no público masculino(bonés,camisa, cueca, camisas de times e outros), com a alta demanda já estamos contemplando o público feminino e beirando o infantil”, relata os jovens proprietários da loja @aloha_zero71.

Foi também na internet que as amigas Raquel e Luciana Viana de 25 anos, moradoras do Vale das Pedrinhas, tiram seus sustentos. O público alvo das meninas são os relacionamentos amorosos e os solteiros de plantão. “Ficamos nos questionando o que vender, quando chegamos à conclusão em investir em produtos eróticos. As pessoas têm suas fantasias, desejos, então, ajudamos a levar ainda mais diversão e prazer para os casais de namorados ou até mesmo de solteiros. Temos produtos para todos os perfis e público, ajudamos a apimentar os relacionamentos”, comenta as proprietárias do doce desejo (@_d.ocedesejo).

Já Jaqueline Oliveira, 26 anos, a paixão pelos cosméticos se tornou uma grande aliada e amparo, após a sua principal fonte de renda familiar ficar desempregado.

“Amo produtos da natura. Sempre fui. Eu queria ser revendedora para comprar os produtinhos para mim e andar sempre perfumada e com a pele hidratada. Só que sempre me deu vontade de começar a vender, porém nunca tive muito jeito com isso. Mas o que eu não contava era a pandemia. Meu pai que dava um pequeno auxílio para casa ficou desempregado, e eu juntei o útil ao agradável. No começo me empolguei com tantas promoções e acabei me embolando nos boletos, mas logo conseguir-me reestabelecer, e com ajuda de dois amigos blogueiros passei a fazer um pouco mais de “sucesso”. Costumo vender os kits e levo o produto. Graças a Deus tenho conseguido tirar um dinheirinho para inteirar nas despesas da casa, e estou com planos de expandir meus negócios. A Natura oferece um espaço digital, ajuda bastante, mas meu truque em vendas presenciais, pois quando os olhos veem o coração sente. Sendo assim mais fácil, pois muitas pessoas têm urgência nos pedidos, seja para uma necessidade pessoal, ou para presentear a quem ama”, descreve a consultora de cosméticos @jaquelinemaccabee sobre o seu processo de vendas.

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.