Emoção marca enterro de Mestre Bozó Preto no cemitério do Campo Santo

“Na hora do meu enterro, faça um favor a mim. Dê o berimbau a meu mestre siga o cortejo cantando assim… Quando eu morrer… Quando eu morrer toque Idalina pra mim, Toque Idalina pra mim Toque Idalina pra mim”

Se não fosse pelo olhar de tristeza de todos os presentes – e pelo próprio local, o Cemitério do Campo Santo, no bairro da Federação -, daria para chamar de celebração à vida. O enterro do mestre de capoeira Carlos Alberto Conceição dos Santos, o Mestre Bozó Preto, 63 anos, na tarde desta segunda-feira (5), foi marcado por emoção, ao som de Idalina ao toque do berimbau como era desejo dele, assim foi o cortejo de despedida do grande Mestre.

Centenas de capoeristas, amigos e familiares se despediram do Mestre Bozó Preto, que deixou um grande legado para a capoeira regional em todo mundo. Bozó sofria de um cancer e estava internado em um hospital de Salvador. Infelizmente, acabou sendo vencido pela doença e nos deixou na tarde deste domingo (4).

A capoeira o acompanhou desde a infância, quando ainda era brincadeira nas ruas do Nordeste de Amaralina, foi ali que ele viu o “Rei Bimba”! Mas, não sabia ele que o destino o reservaria a missão de transmitir o legado da Luta Regional Baiana para as seguintes gerações daquele bairro. Seus ensinamentos ultrapassaram as fronteiras, tornando-se um “Zelador” do legado da Regional, respeitado e consagrado em todos os cantos do mundo.

Foi Mestre e orientador de uma nova geração. Artesão, dançarino, cantador, charangueiro de valor, exímio jogador. “Conhecedor de matéria” diriam os mais antigos. Seu gingado aprendeu no Grupo Ginga, com seu Mestre Itapoan discípulo de Seu Bimba. Seus ensinamentos foram transmitidos a diversas gerações da capoeira baiana, ecoando assim como o som do seu berimbau.

Foi no Nordeste de Amaralina, terra fértil de bons capoeiras, que ele semeou a Luta Regional Baiana através da sua tão amada Associação de Capoeira Regional da Bahia, se tornou o Mestre daquele lugar, reconhecido por toda uma comunidade.

A Bahia sua terra querida o consagrou e o Largo das Baianas da Amaralina que foi seu palco, foi batizado com seu nome.
Na Boca do Rio, bairro que o adotou criou raízes, ali plantou novas sementes.

COMPARTILHAR
Publicitário, Ativista Social e Fundador do Portal NORDESTeuSOU.