Comunidades reivindicam direito à cidade sem racismo e sem expulsão

Ato-Cortejo virtual será realizado no dia 02 de julho

Com o lema “O Povo Negro do Centro Antigo luta pra respirar: nem Covid, nem racismo poderão nos sufocar”, moradores/as e trabalhadores/as do Centro de Salvador realizam manifestação para reivindicar o direito à cidade, à moradia e à vida das comunidades negras e contra ameaças de expulsão, na próxima quinta, 2 de julho, dia de Independência da Bahia. A sexta edição do Ato-Cortejo, organizada pelos grupos que compõem a Articulação de Movimentos e Comunidades do Centro Antigo de Salvador ocorrerá a partir das 18:00h nas redes sociais da Articulação.

Após ocupar as ruas do centro com o cortejo desde 2015, pela primeira vez a ação será virtual, adaptada às medidas de isolamento social por conta pandemia de Covid-19. O evento contará com diversas linguagens, com projeção de animações e vídeos referentes ao tema, depoimentos de lideranças comunitárias do Centro Antigo e de organizações parceiras de defesa de direitos. No programa, Pedro de Rosa Morais, cantor e morador do Centro Antigo, convidará artistas para finalizar o evento com música e outras intervenções ao vivo, como Juliana Ribeiro, Caboco de Cobre, Matilde Charles, Marcia Limma, Elinaldo Nascimento, Edvana Carvalho.

Os organizadores destacam o diferencial do lema desse ano, afirmando que “o ato político-cultural levanta a pauta contra o racismo estrutural que expulsa a população negra e pobre dos centros das cidades. Racismo é pandemia e nos impede de respirar. O assassinato de George Floyd nos Estados Unidos chamou a atenção do mundo para o modo como se trata historicamente o povo negro, e o coronavírus escancarou as condições de desigualdade. Isso impacta também o nosso território do Centro Antigo”. O coletivo aponta ainda a importância de manter o ato na data do 2 de julho, “pois é o momento em que movimentos populares marcam presença reivindicando direitos e nos inspiramos em referências ancestrais como a Cabocla, Maria Felipa e Zumbi”, afirmam.


A programação se estende durante todo o mês de julho, com debates virtuais sobre temas como direito à cidade, racismo e pandemia, com convidados locais e de outras cidades do Nordeste. Também haverá exibição de curtas-metragens sobre os temas, em parceria com o Cine Janela, iniciativa que realiza projeção de filmes em fachadas de prédios da cidade durante o isolamento.

O evento será transmitido pelo canal do youtube da Articulação do Centro Antigo e o programa completo e outras informações serão atualizadas nas redes sociais do movimento: https://instagram.com/centroantigovivo/… e https://facebook.com/centroantigovivo…

O evento é organizado pela Articulação de Movimentos e Comunidades do Centro Antigo de Salvador, composta por Associação Amigos de Gegê dos Moradores da Gamboa de Baixo, MSTB – Movimento Sem Teto da Bahia, Movimento Nosso Bairro É 2 de Julho, Artífices da Ladeira da Conceição da Praia, Coletivo da Vila Coração de Maria e Centro Cultural Que Ladeira É Essa?

Sobre a Articulação dos Movimentos e Comunidades do Centro Antigo de Salvador: A Articulação é composta por grupos com diferentes trajetórias, alguns com mais de 20 anos de luta, e outros que se organizaram para enfrentar ameaças de expulsão nos últimos anos. Desde 2014 buscamos afirmar o direito à cidade denunciando o autoritarismo de intervenções públicas que favorecem o mercado imobiliário e sem ampla consulta popular, bem como buscamos propor soluções para enfrentar o problema da falta de moradia e contribuir com políticas públicas que garantam a permanência de quem mora e dá vida ao território.

Contatos:

Maura Cristina (MSTB) – (71) 98853-3450 Ana Caminha (Gamboa de Baixo) – (71) 99106-1362 Viviane Hermida (Movimento Nosso Bairro é 2 de Julho) – (71) 98894-5277 Eliane Silva (Centro Cultural Que Ladeira É Essa?/Preguiça) – (71) 98894-6885 Pedro de Rosa Morais (Vila Coração de Maria) – (71) 99396-8084 Evandro (Artífices da Ladeira da Conceição) – (71) 98734-8013

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.